sexta-feira, outubro 08, 2010


Impossível

0
Impossível

Capítulo 1 – A vida

Jane


                ‘Era uma manhã de sol... ’ Oh não, é totalmente comum... Quem iria comprar um livro assim? Apaguei novamente e tomei mais um gole do meu café. Esse livro nunca daria certo se continuasse deste jeito. Dei uma respirada funda, como Monica havia me mostrado depois de tantas de suas aulas de ioga, e comecei novamente.
                ‘Era uma vez...’. Parei imediatamente. O que estava acontecendo comigo? Será que eu estava tão ruim assim? Relaxei um pouco e tentei novamente, me concentrando mais na história, e sem usar metáforas ridículas para bebês que amam a Branca de Neve. Então me lembrei que havia algo para olhar na internet. Eu precisava
                Todos os dias vou até lá para ver se o último exemplar do meu livro foi publicado (veja bem, três (TRÊS) exemplares ficaram disponíveis para venda). Hoje já trazia comigo uma caneta. Quem sabe não presencio a compra de meu livro e estou sem caneta? Preciso usá-la para dar autógrafos ao meu fã, oras! Por isso, entrei rapidamente.
                - Ainda não, Jane! – se apressou Carl. Ele parecia treinado a falar isso todo dia que ia para lá.
                Carl era o dono da livraria. Ele e Ronnie, sua esposa, eram gerentes, donos, vendedores, tudo naquela loja! Menos um estudante indiano, Raj, que cuida das economias, mas acho que ele nem sabe que está trabalhando.
                -Porcaria – resmunguei, mas depois mudei de humor – Talvez você não tenha visto! Talvez Raj tenha vendido meu último exemplar!
                - Querida, eu vejo tudo aqui! E é seu último exemplar de apenas TRÊS!
                -Eu batalhei muito para conseguir dois vendidos!
                -Um foi comprado por você...
                Já ia argumentar, mas ele me interrompeu.
                -... E o outro comprado por sua MÃE!!!
                A Ronnie começou a rir. Nesses cinco meses que estive lá, nunca ouvi uma palavra da boca dela, e agora ela começa a rir!
                Minhas desculpas por não mencionar esse embaraçoso fato. É que tem muita coisa em minha cabeça agora! Com 27 anos ainda não achei meu cara perfeito. Ele, é claro, tem que ser alto, com cabelo castanho escuro, pediatra, musculoso, rico, com bons genes, e claro, solteiríssimo.
                Dirigi-me até a estante onde fica meu livro, mas ele ainda estava lá. Não era meu dia. Fui andando até a casa de Mary, acho que seria melhor ter uma amiga por perto.

Mary


                Eu estava apenas deitada no meu sofá de ponta cabeça com uma lata gigante de refrigerante ao meu lado, quando a campainha tocou. Tirei alguns lenços de minha caixa e joguei pelo chão. Coloquei um cobertor enrolado em mim e pratiquei por dois segundos a voz de gripe. Aí, finalmente atendi a porta, achando que era Maya, a secretária de meu chefe.
                - Oi... – respondi com a voz fraca
                -O que aconteceu, Mary? É a Jane!
                - Desculpa Jane, achei que era a Maya, meus olhos estão quase fechados mesmo por causa da gripe.
                - Uhum...
                - Ok, é gripe falsa.
                Acho que é a 3ª vez que finjo gripe essa semana. Não sei como ainda não me despediram naquela porcaria de escritório de telemarketing. Eu só trabalho naquilo porque o salário é fixo, então eu ganho um dinheiro por semana se não for despedida. Já devo ter tido uns 300 empregos, mas isso é culpa do meu totalmente falsificado currículo.
                - É o seu livro, Jane? – respondi com monotonia
                Com a mesma frequência que a maluca da Jane – isso mesmo, maluca – vai naquela livraria ela vem em minha casa chorar sobre o fato de que seu livro nunca foi comprado por alguém que não estivesse em sua árvore genealógica.
                -Como você adivinhou? – ela responde com tom de surpresa
                Até parece que eu não sabia. É realmente uma rotina.
                -Entre. – e fechei a porta – já conversamos sobre isso. Algum dia alguém vai reconhecer que você é uma ótima escritora!
                Sim, ela é. Apesar de ser um dos únicos livros que já li inteiros (ok, é o único), é realmente muito bom.
                - Tomara que sim, Mary – disse ela, se acalmando – E como foi sua semana?
                -Horrível. Estou tendo que fingir esta gripe, e o Matt está querendo algo mais sério comigo, estou arrasada!
                - Fique com ele, amor! Ele é um cara ótimo!
                -Isto é o problema! Eu não quero um cara sério! Eu quero um cara que saiba que eu quero festas, tenho só 27 anos!
                - É quase 30 anos! Como eu!
                -Só quero um relax... – respondi calma tomando meu refrigerante
                -Vamos chamar Monica! – respondeu Jane animada
                -Monica? - engasguei
                Não me leve a mal, mas Monica é completamente meu oposto. Ela ama trabalhar, eu odeio. Ela é completamente séria, eu sou sarcástica. Ela é tímida, eu sou carismática. Só tem uma coisa igual em nós: os dois currículos são perfeitos. Só que o meu era 100% falso e o dela totalmente verdadeiro. Quero dizer: é tão ruim fingir que fala holandês no currículo? Ela fala fluentemente, eu nem sei uma palavra.
                -Ah, não sei não... – respondi com desanimação e incerteza.
                -Por favor... – ela implorou com sua melhor voz de pena
                -Ah... Tudo bem! – respondi desistindo
                -Ligue para ela agora! – Jane continuava agitada
                Peguei o telefone e disquei o número dela. Agora era só torcer para que ela não atendesse!

Monica


                Após um longo dia de trabalho, tinha meu momento relaxante. Sentei em minha cadeira e reservei um tempo para respirar profundamente como havia aprendido em uma das várias aulas de ioga que já tive. Mal consegui respirar direito uma vez e meu chefe entrou na sala.
                -Monica, eu estou indo para o Caribe amanhã então preciso que tome conta dessa papelada para mim!  Você o faria?
                Esse era meu chefe. Ele era extremamente baixo e muito gordo e, além disso, deve ter mais de setenta anos. Não sou sua secretária, mas ele provavelmente acha isso, pela quantidade de papelada que passa para mim. Ele sempre viaja e eu tenho que cuidar de tudo! Mas o bom é que nessas ocasiões ganho um aumento.
                -Tudo bem Sr. Ravendish.
                -Sempre confiarei em você, Monica! Já vou preparar os papéis de seu aumento!
                Fiz um sorriso e esperei ele se retirar. Assim que comecei a lidar com a papelada, o telefone começou a tocar. Tirei meus óculos e atendi.
                - Cavendish Advogados. Monica Pennach, boa tarde!
                -Sra. Pennach, eu queria contratar um advogado. – disse uma mulher com voz bem peculiar, diferente...
                -Criminal ou trabalhista?
                -Criminal.
                -Descreva o que aconteceu no crime, detalhadamente, por telefone. Mande uma cópia escrita por nosso site.
                -O crime é que você não está aqui! Vem para cá agora!!! Eu e a Jane estamos esperando por você! – vi que Mary estava ao telefone. Ela gritava.
                -Não posso agora! Tenho uma papelada enorme para lidar! – comecei a sussurar
                -Por favor!!! Nós imploramos!
                -Vou tentar, ok? Vejo vocês mais tarde.
                -Isso aí! Tchau!
                -Tchau
                Finalmente respiro fundo e começo a tomar conta da papelada. Seria difícil, mas iria pedir para meu chefe me dispensar um pouco mais cedo. Ironicamente, ele entra na sala na hora.
                -Monica, quem estava no telefone?
                -Uma solicitação de advogados... Mas não terá futuro. Parece um caso que não se encaixa em nossa empresa. Falando nisso, posso sair um pouco mais cedo, como agora, para ir a uma consulta odontológica? Prometo que tomo conta de toda a papelada amanhã.
                -Essas análises só você faz, Monica. Gostaria de mais gente como você em nossa companhia. E pode sair sim.
                Dei um sorriso tímido e me dirigi para fora. Finalmente livre da advocacia. Até amanhã, claro.



               

0 comentários:

Postar um comentário